文档操作

Rochas ornamentais

到上一层
A cadeia produtiva de rochas ornamentais em Santo Antônio de Pádua - RJ
Trabalho apresentado no XXIII ENEGEP Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Ouro Preto na Escola de Minas da UFOP entre 21 e 24 de outubro de 2003. Este artigo apresenta os resultados de um estudo de caso realizado no âmbito do Programa de Plataforma Tecnológica de Rochas Ornamentais do Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, com apoio financeiro da FAPERJ e MCT e coordenado pela CPME - Coordenação de Apoio à Pequena e Média Empresa do CETEM. O chamado Projeto Plataforma foi sendo desenvolvido em conjunto com o SEBRAE dentro do Projeto de associativismo, do qual o CETEM participou de reuniões analisando as demandas tecnológicas dos empresários e propondo soluções. O estudo objeto desse artigo faz parte assim dessa ação conjunta na região e incluiu sondagens junto ao empresariado local visando um melhor conhecimento do setor e a elaboração do Roteiro de Enquadramento dessa atividade nos Arranjos Produtivos Locais proposto pelo MCT. As informações obtidas permitiram associar os problemas e as soluções possíveis de serem articuladas nos programas estaduais e federais existentes. O artigo está dividido em 6 seções. Na introdução caracteriza-se o município estudado. Em seguida são descritos a cadeia produtiva de rochas ornamentais, os processos de produção e seus aspectos tecnológicos e organizacionais. Para enfim apontar oportunidades de agregação de valor a essa cadeia e destacar os principais resultados e recomendações do projeto.
A EXPERIÊNCIA COM O ARRANJO PRODUTIVO DE ROCHAS ORNAMENTAIS DE SANTO ANTONIO DE PÁDUA NO CENÁRIO DOS ARRANJOS DE BASE MINERAL DO BRASIL
A atividade mineral com rochas ornamentais junto ao arranjo produtivo local (APL) situado na área de Santo Antonio de Pádua, Miracema e municípios limítrofe teve início na década de 60. A partir de 1992, o Departamento de Recursos Minerais do Estado do Rio de Janeiro, DRM-RJ, iniciou levantamentos no local, determinando que a proliferação de pedreiras e serrarias seguiam dois lineamentos geológicos paralelos. A seguir outras organizações, tais como Serviço de Aprendizagem Industrial - SENAI e o Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa - SEBRAE RJ, se interessaram em colaborar com os primeiros produtores lá instalados. O Centro de Tecnologia Mineral - CETEM, por sua vez, iniciou suas atividades no local em 1997, juntando-se às demais instituições que lá já atuavam. A proposta do presente texto é revelar algumas das experiências de atuação fruto destas parcerias que estão proporcionando resultados positivos, tanto para os produtores, como para a comunidade da região, e que podem ser úteis para outras iniciativas junto aos arranjos produtivos locais de base mineral no Brasil ou em outros países.
A indústria extrativa da Pedra Cariri no Estado do Ceará: Problemas x Soluções
Trabalho publicado nos Anais do IV Simpósio de Rochas Ornamentais do Nordeste, 16 a 19 de novembro de 2003, Fortaleza – Ceará. O trabalho apresenta o diagnóstico da exploração da Pedra Cariri em 2003 e a matriz de problemas e possíveis soluções realizada na época, mediante visitas de campo e entrevistas aos produtores. Esse trabalho levou à formação da Plataforma Tecnológica que elaborou o Projeto APL Calcários do Cariri, posteriormente financiado pelo CT-Mineral, que agora está encerrando.
Aproveitamento dos Rejeitos Sólidos Gerados no processo de beneficiamento de rochas ornamentais de Santo Antônio de Pádua - RJ
Trabalho publicado nos Anais do III Congresso Nacional de Meio Ambiente, realizado de 11 a 17 de outubro de 2004 em Salvador (BA). Neste trabalho apresentam-se as diversas possibilidades de uso dos rejeitos, finos e grossos, produzidos no APL de Santo Antônio de Pádua, de acordo com os estudos realizados pelos centros envolvidos.
APROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS FINOS DAS SERRARIAS DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA, RJ
Trabalho apresentado no I Seminário da Sustentabilidade Ambiental da Mineração, Salvador (BA) 24-25 de novembro de 2003. O trabalho mostra os estudos realizados pelo CETEM e o INT, visando o aproveitamento dos rejeitos finos das serrarias de Santo Antônio da Pádua. Seu uso na composição de argamassa foi patenteado pelos autores e levou à implantação de uma Fábrica de Argamassa na região.
ASPECTOS DO APROVEITAMENTO DOS REJEITOS DA PEDRA CARIRI
Artigo de congresso Resumo The 'Cariri Stone' ('Pedra Cariri') of sedimentary formation is a natural stone from the Ceará State for ornamental uses, with an annual production of approximately 70, 000 metric tons. This rock has homogenous texture and a soft yellow color. It's being exploited for more than 30 years generating high volumes of tailing wastes in the quarries. Due to their high carbonate contents, these wastes can be used in other industrial activities. dos autores abiaxo citados Autores : Francisco Wilson Hollanda Vidal¹ , Manoel William Montenegro Padilha² e Raimundo Roncy de Oliveira³ 1Engenheiro de Minas, Doutor Eng° Mineral, Pesquisador do CETEM/MCT.
Balanço das exportações e importações brasileiras de Rochas Ornamentais
As exportações do 1º bimestre de 2008 somaram US$ 133,8 milhões, correspondentes à comercialização de 322.182,73 toneladas de rochas brutas e processadas. Esses números representaram uma variação negativa de 3,42% no faturamento e 2,32% no volume físico comercializado, frente ao mesmo período de 2007.
Caracterização Tecnológica dos Calcários do Cariri - CE
Trabalho publicado nos Anais do Simpósio de Rochas Ornamentais do Nordeste, 13 a 15 de Novembro de 2005, Recife, Pernambuco. O trabalho mostra a metodologia e os resultados da caracterização tecnológica dos calcários da região, realizada pelo CETEM/MCT.
Desenvolvimento de Máquinas e Equipamentos para a produção da Pedra Cariri
Trabalho publicado nos Anais do I Congresso Internacional de Rochas Ornamentais realizado no período de 20 a 23 de fevereiro de 2005, Guarapari, ES. O trabalho apresenta o diagnóstico de produção da Pedra Cariri e sugere melhorias nos equipamentos e máquinas utilizadas. Levantamento que levou à fabricação de equipamentos específicos para a Pedra Cariri, já dentro do Projeto APL Calcarios do Cariri.
Desenvolvimento de máquinas para a Pedra Cariri
Relatório Técnico do CETEM sobre o processo de dessenvolvimento e fabricação de equipamentos específicos para o beneficiamento da Pedra Cariri, disponibilizados para a Cooperativa de Produtores, dentro do Projeto APL Cariri.
EVALUATION OF MINERAL PRODUCTION CLUSTERS THROUGH A SUSTAINABILITY MATRIX
Trabalho em inglês, publicado nos Anais do II Congresso Internacional de Rochas Ornamentais, de 29 a 31 de Maio de 2008, Carrara, Itália, de autoria de Carlos C. Peiter, Roberto C. Villas-Bôas e W. Shinya. Apresenta-se aqui a Matriz de Sustentabilidade como ferramenta de avaliação qualitativa de APLs de Base Mineral. Clusters are geographic concentrations of companiesand institutions in a particular field linked by commonalities and complementarities. The Carrara Marble Cluster is an example of a mineral-based cluster. In 2005, Brazil released a public policy to encourage clusters including those associated with the minerals industry. The evaluation of the clusters is an important step in adjusting public policies devoted to the support of local development. The sustainability matrix, as described in this paper, is a simple tool applied by the authors to provide a qualitative diagnosis of mineral-based clusters in order to check aspects of sustainability that are influenced by variables that control the mineral operations such as, for example: the skills of workers and management; minerals prices; natural resource availability; bank loans; etc. This paper demonstrates the usefulness of the sustainability matrix as a toll for understanding the impact of public policies and threats to sustainability by highlighting the results obtained by applying it to a Brazilian natural stone cluster.
O ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA PEDRA CARIRI
Trabalho apresentado no Encontro da Rede GECOMIN - “Prevenção e Gestão de Conflitos na Mineração”, 28-29 de Maio de 2008, Santiago, Chile, 20 páginas. O artigo dá uma visão geral do APL de Calcários do Cariri, as atividades desenvolvidas ao longo do projeto e os relacionamentos entre os atores envolvidos no APL.
Produção Limpa e Geração de emprego para o setor de Rochas Ornamentais
Vídeo sobre o projeto desenvolvido pelo CETEM no Arranjo Produtivo Local de Santo Antônio de Pádua. É exposto uma Unidade de Tratamento de Efluentes, que possibilita a separação dos rejeitos sólido e líquido das serrarias, permitindo a reciclagem da água usada no corte e a reutilização do sólido, diminuindo a carga poluidora dos rejeitos despejados.
Situação atual e perspectivas brasileiras no setor de Rochas Ornamentais
A produção mundial de rochas ornamentais e de revestimento evoluiu de 1,8 milhões de toneladas/ano, na década de 1920, para um patamar atual de 92,8 milhões de toneladas/ano. Cerca de 41,4 milhões de toneladas de rochas brutas e beneficiadas foram comercializadas no mercado internacional em 2006, devendo-se atingir a casa dos 45 milhões de toneladas em 2007. Estima-se que o setor de rochas esteja atualmente movimentando US$ 80 bilhões a US$ 100 bilhões/ano. No ano de 2006, o Brasil colocou-se como 4º maior produtor e exportador mundial de rochas em volume físico, como 2º maior exportador de granitos brutos, como 4º maior exportador de rochas processadas especiais, e como 2º maior exportador de ardósias, além de ser o principal fornecedor de chapas de granito para os EUA. No Brasil são registradas atividades de extração em cerca de 400 municípios, assumindo-se a existência de 1.800 frentes ativas de lavra e a produção de 1.200 variedades comerciais de rochas. A produção brasileira de rochas ornamentais e de revestimento totalizou cerca de 8,0 milhões de toneladas no ano de 2007. Essa produção envolveu uma grande variedade de materiais, que inclui granitos, mármores, quartzitos maciços e foliados, ardósias, pedra-sabão, metaconglomerados, serpentinitos, travertinos, calcários (limestones) e outras. As exportações brasileiras de rochas ornamentais em 2007 tiveram incremento de 4,62% e atingiram US$ 1,093 bilhão, com vendas para mais de 120 países em todos os continentes. Estima-se que, entre negócios relativos aos mercados interno e externo, o setor brasileiro de rochas ornamentais tenha movimentado transações comerciais de US$ 4,1 bilhões em 2007. As 11.300 empresas integradas à cadeia produtiva do setor, no Brasil, são responsáveis por cerca de 140 mil empregos diretos e 420 mil empregos indiretos. O ano de 2007 representou uma fase de transição e mudanças para o setor de rochas, relacionada à passagem de um período de excepcional aquecimento da demanda mundial, vigente entre 2002 e 2006 e fundamentalmente ligada à China e EUA, para um período menos exuberante nos próximos cinco anos, quando será mais acirrada a competição no mercado internacional.
Quarrying limestones and saving fossils of the Araripe Basin, Brazil
Trabalho em inglês, publicado nos Anais do II Congresso Internacional de Rochas Ornamentais, de 29 a 31 de Maio de 2008, Carrara, Itália. O trabalho apresenta o conflito entre mineração e proteção ao patrimônio fossilífero na região e como este problema vem sendo tratado, dentro das atividades do projeto APL Calcários do Cariri.
Seminário de Arranjos Produtivos Locais - Espírito Santo
Seminário de Arranjos Produtivos Locais - Espírito Santo
SÍNTESE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO EM 2009
 
ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTOS
CT2005-172-00 – Contribuição Técnica elaborada para o Livro Rochas e Minerais Industriais do Ceará, páginas 25-47.
A INDÚSTRIA DE ROCHAS ORNAMENTAIS
Este trabalho se propõe a tratar da indústria de rochas ornamentais, mármores e granitos, enfatizando sua conformação, gargalos e potencialidade no estado da Bahia. Inicialmente, apresentam-se as particularidades dos produtos e processos produtivos desta indústria, incluindo os principais equipamentos utilizados. Descrevem-se as características do mercado internacional, principais produtores, exportadores e importadores. Em seguida, mostra-se como o Brasil está inserido neste mercado e como está organizada a sua referida indústria, com especial destaque para o parque instalado no estado do Espírito Santo. A última parte do trabalho discorre sobre as características do setor na Bahia, a sua inserção nos mercados interno e externo, seus pontos fortes e fracos, as oportunidades e ameaças ao seu desenvolvimento. Dedica-se maior atenção às atividades voltadas ao beneficiamento do mármore Bege Bahia, para o qual, aparentemente, se encontram boas oportunidades de negócios. Nas considerações finais, são feitas reflexões sobre os entraves e as perspectivas futuras do setor no Brasil e na Bahia. O anexo contém uma lista de empresas do setor na Bahia. 2.
DIAGNÓSTICO DA CADEIA PRODUTIVA DAS ROCHAS ORNAMENTAIS NO ESTADO DE GOIÁS 2008
O Estado de Goiás por seu contexto geológico, apresenta uma grande diversidade de rochas, fontes possíveis de matéria-prima para obtenção de produtos destinados à decoração (rochas ornamentais) e ao revestimento de interiores e exteriores (pisos, paredes, etc.). Esta diversidade se traduz em um grande potencial, que necessita de políticas específicas visando transformá-lo em realidade socioeconômica para as regiões envolvidas. A Secretaria de Indústria e Comércio do Estado de Goiás/SIC apóia e expõe os atrativos desta atividade econômica fomentando e destacando sua importância como geradora de riqueza local e regional. Com estes objetivos a SIC através da Superintendência de Geologia e Mineração/SGM disponibiliza o 5º número da Série Geologia e Mineração com um levantamento das marmorarias do Estado de Goiás e do Distrito Federal e das ocorrências de rochas ornamentais e de revestimento no Estado. Os dados e informações contidos neste relatório resultam de levantamentos bibliográficos e pesquisas realizadas em campo, visando auxiliar na divulgação dos materiais pétreos existentes, fornecendo um panorama do setor mineral das rochas ornamentais e de revestimento.
O Estado de Goiás por seu contexto geológico, apresenta uma grande diversidade de rochas, fontes possíveis de matéria-prima para obtenção de produtos destinados à decoração (rochas ornamentais) e ao revestimento de interiores e exteriores (pisos, paredes,
O Estado de Goiás por seu contexto geológico, apresenta uma grande diversidade de rochas, fontes possíveis de matéria-prima para obtenção de produtos destinados à decoração (rochas ornamentais) e ao revestimento de interiores e exteriores (pisos, paredes, etc.). Esta diversidade se traduz em um grande potencial, que necessita de políticas específicas visando transformá-lo em realidade socioeconômica para as regiões envolvidas. A Secretaria de Indústria e Comércio do Estado de Goiás/SIC apóia e expõe os atrativos desta atividade econômica fomentando e destacando sua importância como geradora de riqueza local e regional. Com estes objetivos a SIC através da Superintendência de Geologia e Mineração/SGM disponibiliza o 5º número da Série Geologia e Mineração com um levantamento das marmorarias do Estado de Goiás e do Distrito Federal e das ocorrências de rochas ornamentais e de revestimento no Estado. Os dados e informações contidos neste relatório resultam de levantamentos bibliográficos e pesquisas realizadas em campo, visando auxiliar na divulgação dos materiais pétreos existentes, fornecendo um panorama do setor mineral das rochas ornamentais e de revestimento.
Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais e de Revestimento N° 1º Trimestre de 2010
Publicação da Abirochas
Estudo-Bandes: APL de Rochas Ornamentais do ES 'levantamento de Necessidades e Propostas de Ações de Financiamento'
Estudo do Banco de Desenvolvimento do ES S/A de 2004
Cartilha Temática (SETEC/MEC) Rochas Ornamentais
Com entusiasmo, a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) publica, em 2007, mais quatro cartilhas temáticas. Criadas há dois anos para apresentar os resultados da articulação da política de formação de trabalhadores do Ministério da Educação com as ações empreendidas por setores produtivos locais, esses volumes mostram alguns aspectos do trabalho realizado por escolas da rede federal em colaboração com empreendedores brasileiros. As experiências mostradas nesses volumes – relacionadas à cultura do cupuaçu, à produção de doces e geléias, à criação de ovelhas e cabras e à cadeia produtiva de rochas ornamentais – resultam das políticas de educação, geração de trabalho e renda do Governo Federal destinadas a combater as profundas desigualdades sociais brasileiras. Os textos aqui apresentados mostram um pouco da história do país, os cursos oferecidos pelas escolas federais de educação profissional e também as pesquisas setoriais desenvolvidas por pesquisadores brasileiros. Há, em alguns deles, ainda, receitas pitorescas ou populares. Esperamos que tenham, ao lê-los, a mesma satisfação e orgulho que os gestores da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica tiveram ao decidir publicá-los. Setec/MEC - 2007
Sites de Portais de Instituições, Associações, Centros de Pesquisa e Entidades Afins / Sebrae
Autor: Sebrae
AbiRochas - Informe 012/2010 - Exportação de Rochas Ornamentais
 
Caracterização Tecnológica de Rochas Ornamentais
 
Rede Brasileira de Informação dos Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral
SAS Quadra 05 Lote 06 Bloco H 2º andar sala 06. CEP 70070-912, Brasília - DF
Portal mantido por: IBICT
Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia